top of page
  • Foto do escritorHebert Silva Araújo

Por que você escolhe ouvir esta (e não aquela) música?

Os algoritmos facilitaram a descoberta de novos conteúdos. Entenda como essas sugestões mudaram nossa forma de ouvir música.



Já parou para pensar por que você escolher ouvir uma música específica quando abre um aplicativo de streaming como o spotify? Com a explosão dos aplicativos de streaming, ouvir música ficou bem mais fácil e prático, assim como conhecer músicas novas. Mas será que somos nós que estamos escolhendo o que ouvir?

Como funcionam os algoritmos nos streamings

Os sistemas algorítmicos são conjuntos de regras e procedimentos matemáticos e lógicos que executam tarefas específicas. Baseados em dados que são inseridos por mecanismos de entrada, os sistemas então processam essas informações por meio de operações lógicas, tomam decisões com base nos resultados e fornecem resultados correspondentes.

Como funcionam os algoritmos nos streamings

Os sistemas algorítmicos são conjuntos de regras e procedimentos matemáticos e lógicos que executam tarefas específicas. Baseados em dados que são inseridos por mecanismos de entrada, os sistemas então processam essas informações por meio de operações lógicas, tomam decisões com base nos resultados e fornecem resultados correspondentes.



Plataformas como YouTube ou Netflix usam sistemas algorítmicos para criar perfis de usuários e oferecer recomendações personalizadas. Eles fazem isso coletando seus dados, analisando-os, comparando com outros usuários e combinando seus comportamentos de usuário com informações musicais e características de áudio. Dessa forma, podem aprender o que uma pessoa gosta e qual deve ser a melhor recomendação.

As recomendações algorítmicas também estão presentes ao ouvir música. O Spotify aprende a música que você gosta e recomenda músicas semelhantes organizadas em listas de reprodução personalizadas, como o Discover Weekly e o Daily Mix.

Os algoritmos influenciam no que você ouve?

No entanto, alguns usuários do Spotify com quem o pesquisador conversou durante sua pesquisa explicam que não usam recomendações algorítmicas e, quando o fazem, acham as recomendações musicais entediantes, repetitivas e nada novas. Ainda assim, mais tarde, eles falam sobre como às vezes usam as listas de reprodução personalizadas que a plataforma recomenda quando estão entediados ou não sabem o que ouvir.

O Spotify e outros sistemas de recomendação semelhantes em outras plataformas têm a difícil tarefa de recomendar conteúdo que seja o mesmo, mas diferente. Os usuários gostam ou não das recomendações com base no que precisam delas. Quando desejam explorar, as recomendações muitas vezes parecem muito semelhantes ao que já conhecem, mas quando querem música familiar, as recomendações podem fornecer muita variação.



As recomendações podem ser boas quando as pessoas não sabem o que ouvir, ou ruins se tiverem um desejo específico, então, em muitos casos, é mais fácil usar listas de reprodução salvas e evitar a aleatoriedade das recomendações.

As recomendações podem ser boas quando as pessoas não sabem o que ouvir, ou ruins se tiverem um desejo específico, então, em muitos casos, é mais fácil usar listas de reprodução salvas e evitar a aleatoriedade das recomendações.

Portanto, da próxima vez que as recomendações do Spotify surpreenderem você ou você verificar seu Spotify Wrapped em dezembro, pense em como essas músicas chegaram lá e por que o Spotify acha que você pode gostar dessa música.

9 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page